BENJI KAPLAN

biografia

Benji é guitarista, violonista, arranjador, cantor e compositor norte-americano. Nasceu em 1985 e foi criado na cidade de Nova York.

 

Filho de pai cubano com ascendência russa-judaica e mãe austríaca, Benji ouvia dentro de casa vários tipos de música e tinha contato com a cultura e língua de seus pais incluindo o médio oriente, a música ladina (por parte do avô judeu espanhol), música brasileira e africana. Ele se recorda ainda muito pequeno dos pais colocando discos de Clara Nunes, Hermeto Pascoal, Tom Jobim, Dorival Caymmi, Canhoto da Paraíba e muitos outros na vitrola de sua casa.

 

Benji começou a se interessar por violão aos 11 anos de idade quando viu um colega na escola tocando. Com 15 anos já começa a tocar profissionalmente nos clubes e eventos em NY. Aprendeu nesse período também a tocar alguns choros e bossas de Tom Jobim até que, aos 17 anos, finalmente viajou para o Brasil e intensificou o relacionamento com a música brasileira, adquirindo o que chama de “um entendimento espiritual dessa

música no seu coração”.

 

De volta aos EUA Benji ingressou na Universidade New School em Manhattan onde estudou e tocou jazz com vários músicos, incluindo Benny Powell, Buster Williams, Rodney Jones, Vic Júris e Barry Harris entre outros. Foi neste ano de 2004 aos 18, que descobriu um disco do compositor brasileiro Guinga numa loja

de discos em Manhattan e esta descoberta foi responsável por provocar uma verdadeira

mudança na sua paisagem musical.

 

Benji começou a compor aos 20 anos. Fez choros, baiões, standards do jazz, valsas, modinhas e outros gêneros arriscando suas próprias letras em português. Elaborando as harmonias ele cruzava influências do jazz, da bossa, da MPB e da música clássica. Durante este tempo na faculdade aprendeu a tocar os solos das grandes lendas do Jazz como Wes Montgomery, Sonny Rollins e Lester Young. No dia-a-dia aprendia a tocar e cantar músicas de Jobim, Chico Buarque, Noel Rosa, Ernesto Nazareth, Zé Keti, Dorival, Guinga entre tantos outros. Foi esta mistura de diversas influências que formou o seu estilo próprio de tocar, cantar e compor.

 

Atualmente Benji possui parcerias e colaborações com diversos artistas brasileiros incluindo Makely Ka, Pedro Dias Carneiro, Rita Figueiredo, Sergio Krakowski e Luiz Simas. Lançou seu primeiro disco em 2011 chamado “Meditações no Violão”, um álbum de composições autorais com diversos estilos, ritmos e maneiras de tocar violão solo incluindo choros, baiões, modinhas e outros ritmos num estilo muito próprio.

Uai Sô, o Álbum do Benji Kaplan foi lançado em 2016, apresentando-se no violão e nos vocais, foi bem recebido pelos críticos de jornais por suas composições líricas, harmonias exuberantes e arranjos peculiares para sopros, metais e cordas.) Agora com o seu (4º) e último álbum Desde então, "Chorando Sete Cores" (Crying 7 Colors), ele embarca em 13 aventuras composicionais, de forma completamente instrumental. Tirado pelas cordas de seu Violão, um Quinteto novo de Sopras, e metais  viajam com ele através da paisagem musical vasta do Brasil, que inclui choros, canções de ninar, sambas, maracatus e outros ritmos e estilos. Além de Benji no Violão, o conjunto é composto por Remy Leboeuf em Clarinetes, Anne Drummond nas Flautas e David Byrd Marrow na French Horn. Um testemunho da habilidade qualitativa e sincera do conjunto e dos arranjos hábeis de Benji, a impressão é a de um fluxo sem esforço - um abraço enganadoramente das armadilhas intrincadas de Benji e, muitas vezes, justaposições sonoras que passaram a caracterizar seu estilo de composição exclusivo.